quarta-feira, 20 de outubro de 2021

PESQUISA ANALISA COMO O DISTANCIAMENTO SOCIAL AFETOU HÁBITOS ALIMENTARES E O ESTILO DE VIDA


Foi publicada, na revista internacional Public Health Nutrition, uma pesquisa que analisou mudanças que ocorreram nos hábitos alimentares e no estilo de vida dos brasileiros a partir do distanciamento social ocasionado pela pandemia de Covid-19. Parte dos resultados mostraram, por exemplo, que houve um aumento significativo no consumo de fast food, pães e refeições instantâneas. O consumo de frutas e vegetais diminuiu.

O artigo intitulado “Lifestyle and eating habits before and during Covid-19 quarantine in Brazil” (“Estilo de vida e hábitos alimentares antes e durante a quarentena de Covid-19 no Brasil”) foi publicado em junho e é resultado do trabalho de um grupo de pesquisadoras da Universidade Federal de Lavras (UFLA), Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Universidade Federal de Ouro Preto (Ufop) e Universidade Federal de Viçosa (UFV).

O estudo, que contou com a participação de mais de mil voluntários on-line, revelou também que, com exceção do jantar e do lanche da tarde, o consumo de refeições mudou visivelmente em comparação com o período anterior ao distanciamento social. Os participantes da pesquisa relataram que, durante a pandemia, passaram a consumir com menor frequência o almoço e lanches no café da manhã. Por outro lado, observou-se uma maior frequência de lanches noturnos e de outras refeições.

Além disso, a pesquisa observou diferenças significativas em aspectos do estilo de vida dos brasileiros, como o consumo de álcool, tabagismo, tempo de sono, tempo de tela (período de utilização de dispositivos de tecnologia digital) e a realização de atividades físicas. Os resultados mostraram um aumento na frequência de consumo de bebidas alcoólicas (com certa redução na dose), um certo aumento na frequência de tabagismo, um aumento de horas no período de sono e no tempo de tela e uma visível redução na prática semanal de atividades físicas em termos de frequência e minutos.

De acordo com as pesquisadoras, o aumento da frequência do consumo de álcool, por exemplo, pode estar associado a uma tentativa das pessoas de combater o estresse, o tédio e até mesmo possíveis emoções negativas decorrentes do isolamento. Já o aumento do tempo de tela (que inclui computadores, televisões, tablets e celulares) pode ser justificado pelo fato de que mais da metade dos entrevistados relataram que, durante a pandemia, seu tempo de trabalho aumentou. Além disso, muitos dos participantes estão estudando ou trabalhando remotamente em período integral ou parcial. Sobre a redução na prática de atividades físicas, percebe-se que essa é uma mudança ocasionada pela dificuldade de praticar exercícios, já que, com as medidas de segurança, academias, parques e centros de treinamento e de recreação foram diversas vezes fechados. A falta de equipamentos necessários e de orientação profissional também dificultam a prática de atividades físicas em casa.

Dessa forma, com a análise dos resultados, a equipe responsável pelo estudo conseguiu observar como as medidas de isolamento adotadas no Brasil provocaram diversas mudanças no cotidiano das pessoas. De acordo com a pesquisadora Marina Martins Daniel, uma das responsáveis pela pesquisa, observar a redução no desempenho das refeições diurnas e o aumento no desempenho das refeições noturnas, dentre essas tantas outras mudanças, evidencia a necessidade de pesquisas que investiguem as repercussões da pandemia em diversos aspectos. “O distanciamento físico e social é uma medida de segurança altamente recomendada pelas autoridades de saúde. Porém, pesquisas realizadas com populações de outros países já vêm mostrando como essa medida pode acabar afetando a vida e os hábitos das pessoas. Para nós, brasileiros, não foi e nem poderia ser diferente.”

Marina também comenta que diversos fatores podem justificar as alterações nos hábitos alimentares dos brasileiros, que, mesmo estando em casa, passaram a consumir alimentos menos saudáveis. “Durante a pandemia, muitas pessoas provavelmente passaram a procurar por alimentos mais reconfortantes. Quando essa pesquisa foi realizada, estávamos no auge da pandemia e quase tudo estava sob lockdown. Muitos estudos já mostraram que ficar em casa pode desencadear ou agravar quadros ou episódios de ansiedade e depressão nas pessoas, o que pode contribuir para essa alteração no comportamento alimentar, já que as pessoas podem passar a consumir alimentos que são ricos em açúcares e gorduras e que remetem a uma sensação de conforto.”

Mais sobre o estudo
O estudo foi realizado remotamente, com voluntários brasileiros maiores de 18 anos, entre os meses de agosto e setembro de 2020, aproximadamente 5 meses após a implementação da quarentena no País. Informações sobre a pesquisa e o link para acessar o questionário foram divulgados em sites institucionais e nas redes sociais. Um total de 1496 participantes responderam ao questionário, mas, após a validação dos dados, 1368 respondentes foram incluídos no estudo. A participação foi principalmente de mulheres (80%), havendo voluntários de diferentes regiões do País. A maioria dos respondentes, no entanto, reside na região sudeste.

A equipe de pesquisa
Marina é mestranda do Programa de Pós-Graduação em Nutrição em Saúde da Faculdade de Ciências da Saúde, unidade na qual Lívia Garcia Ferreira, também autora da pesquisa, atua como professora adjunta. O estudo ainda contou com a colaboração de Tamires Cássia de Melo Souza (doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Ciência de Alimentos da Faculdade de Farmácia da UFMG), Lucilene Rezende Anastácio (professora adjunta do Departamento de Alimentos da Faculdade de Farmácia da UFMG), Lívya Alves Oliveira (mestranda do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Nutrição do Departamento de Nutrição e Saúde da UFV), Ceres Mattos Della Lucia (professora adjunta do Departamento de Nutrição e Saúde da UFV) e Juliana Costa Liboredo (professora adjunta do Departamento de Alimentos da Ufop).

*Do Portal da Ciência UFLA

ARENA PARK, EM ITAJUBÁ, REALIZA TREINOS PARA ATLETAS COM SÍNDROME DE DOWN


Com o apoio da Prefeitura de Itajubá e patrocinadores, o projeto “Futsal Down T21 Arena Park” está realizando treinos para atletas com T21 (síndrome de Down) em Itajubá, no Sul de Minas. Idealizado por Eduardo Sato, o projeto está acontecendo no Arena Park, espaço de propriedade do Educador Físico Ferdinando Moreira que fica localizado no Parque da Cidade, e também no Ginásio Tigrão. O lançamento oficial ocorrerá em novembro.

O projeto “Futsal Down T21 Arena Park” atende adultos, jovens e crianças a partir de 6 anos com síndrome de Down. O objetivo é treinar as habilidades esportivas através do futsal, buscando benefícios físicos, sociais e cognitivos, além de melhoria na autonomia, autoestima, independência e socialização dos atletas. “Queremos levar a todas as pessoas com Down os mesmos resultados e benefícios que o meu filho Rafael Sato vem obtendo com a prática do futsal”, disse o idealizador Eduardo.

A iniciativa conta ainda com o suporte e incentivo de Cleiton Monteiro, Técnico da Seleção Brasileira de Futsal Down, Dirigente da Confederação Brasileira de Desportos para Deficientes Intelectuais (CBDI) e membro da Federação Internacional para Atletas de Futebol com Síndrome de Down.

Sobre o Futsal Down
A história do Futsal Down no Brasil se confunde com a do técnico Cleiton Monteiro, ex-jogador do Corinthians. Depois de sair dos gramados, Cleiton assumiu o cargo de Diretor Social da Apae de Osasco (SP), onde permaneceu de 2005 a 2007. Naquele ano, em parceria com a Associação Paradesportiva JR, Cleiton foi o treinador de um time de jogadores com T21.

Logo depois, devido ao histórico de Cleiton com o Corinthians, foi criada uma parceria que resultou no primeiro time de Futsal Down do Brasil: o JR Corinthians em 2007. De lá pra cá, Cleiton participou da formação de muitos outros projetos de Futsal Down no país, incluindo o mais recente, o “Futsal Down T21 Arena Park” de Itajubá, em junho de 2021.

Graças ao empenho e trabalho de Cleiton Monteiro, hoje o Futsal Down do Brasil é internacionalmente conhecido, tendo a Seleção Brasileira de Futsal Down consagrada Campeã Mundial de 2019 e a Gillette como patrocinador oficial.

BAND CIDADES EXCELENTES PREMIA MUNICÍPIO DE LAVRAS EM TRÊS CATEGORIAS


A prefeita de Lavras, Jussara Menicucci e o vice-prefeito Rodolpho Wilson Crepaldi receberam nesta segunda-feira, dia 18, em Belo Horizonte, a premiação do Band Cidades Inteligentes.

Em solenidade com a presença do governador Romeu Zema, o Sistema Band Minas de Comunicação anunciou os vencedores estaduais do Prêmio Band Cidades Excelentes. A iniciativa é advinda da parceria do Grupo Bandeirantes com o Instituto Aquila e é direcionado a todos os municípios do país.

A Prefeitura de Lavras foi vencedora em três categorias: Saúde e Bem Estar; Desenvolvimento Socioeconômico e Ordem Pública e destaque entre os municípios com mais de 100 mil habitantes. O trabalho de pesquisa envolve 40 indicadores de gestão pública, o que possibilita um olhar sobre o município por vários ângulos.


O prêmio
Iniciativa pioneira e inédita no país, o Prêmio Band Cidades Excelentes analisa cinco pontos importantes da administração pública municipal: Eficiência Fiscal e Transparência; Educação; Saúde e Bem Estar; Infraestrutura e Mobilidade Urbana; Desenvolvimento Socioeconômico e Ordem Pública.

A premiação é divida em três categorias, de acordo com a população de cada município (menos de 30 mil habitantes / de 30 a 100 mil habitantes e acima de 100 mil habitantes). O evento contou com a presença de representantes dos municípios que concorreram e a premiação foi entregue pelo Governador de Minas Gerais, Romeu Zema.

A avaliação do Prêmio Band Cidades Excelentes é feita a partir da ferramenta desenvolvida pelo Instituto Aquila, IGMA. A plataforma é estruturada baseada em Inteligência Artificial, que, a partir de um algoritmo, consolida resultados a partir de 41 indicadores em uma única nota final.

Os indicadores são construídos a partir de cinco pilares: eficiência fiscal e transparência, educação, saúde e bem-estar, infraestrutura e mobilidade urbana e desenvolvimento socioeconômico e ordem pública.

Para cada pilar, os municípios serão separados em três categorias de avaliação, de acordo com o tamanho da população local: menor ou igual a 30 mil habitantes; entre 30 mil e 100 mil habitantes; e acima de 100 mil habitantes.

No evento, foram entregues as premiações aos municípios:

● Pedra do Indaiá (menor ou igual a 30 mil habitantes), gerido pelo prefeito Mateus Marciano dos Santos;
● Nova Lima (entre 30 mil e 100 mil habitantes), gerido pelo prefeito João Marcelo Dieguez Pereira;
● Lavras (acima de 100 mil habitantes), gerido pela prefeita Jussara Menicucci.

“Esta iniciativa é louvável e digna do nosso reconhecimento e agradecimento, pois ela premia os bons gestores e, com isso, melhora a autoestima de quem faz o trabalho. Incentiva os premiados e divulga essas boas práticas para os demais seguirem este exemplo e se aperfeiçoarem. A administração pública é muito complexa e há detalhes importantes que precisam ser enxergados. Os gestores são muito cobrados pelo controle externo e precisamos mudar isso”, afirmou Julvan Lacerda, presidente da Associação Mineira de Municípios (AMM) e vice-presidenteda Confederação Nacional dos Municípios (CNM).

Além de Julvan Lacerda e do governador Romeu Zema, participou da entrega do Prêmio Band Cidades Excelentes, o sócio-fundador do Instituto Aquila, Raimundo Godoy; o diretor da Band Minas, Bernardo Teles, além de sete prefeitos mineiros.

POÇOS DE CALDAS REALIZA ADESÃO À REDE INTEGRADA DE PROTEÇÃO AO TURISMO DE MINAS GERAIS

A Patrulha do Turismo será um dos primeiros dispositivos criados na cidade

A Prefeitura de Poços de Caldas por meio da secretaria de Turismo iniciou o processo de implantação na cidade, da Rede Integrada de Proteção ao Turismo de Minas Gerais. A partir do Termo de Cooperação Técnica firmado entre a Secretaria de Estado de Cultura e Turismo (Secult) e a Polícia Militar de Minas Gerais para promover a segurança pública na Cultura e Turismo, junto aos municípios mineiros, Poços iniciou a primeira ação de segurança na área.

A ideia dentro desta rede, segundo a Secult, é que sejam desenvolvidas ações como a mobilização de representantes de órgãos públicos, instituições, empresas das localidades envolvidas com o turismo, além das comunidades locais para, juntos, proporem soluções para a melhoria da segurança e da qualidade de vida da população.

A partir dessa integração, o município contará com a Patrulha do Turismo em parceria com a Polícia Militar local. Como uma das primeiras ações, um treinamento foi iniciado com os policiais que vão integrar o projeto, onde servidores do Turismo local puderam trazer conhecimento sobre diversos aspectos do setor da cidade.

O secretário municipal de Turismo, Ricardo Fonseca comentou sobre a importância da rede e até mesmo o incentivo gerado por parte do Estado. 

“Na recente vinda do próprio secretário de Turismo e Cultura Leônidas Oliveira à cidade, ele chancelou Poços sobre a importância de haver essa adesão à rede aqui. De imediato a secretaria realizou todo o trâmite para início e automaticamente cumprimos todos os pré-requisitos. Desde então as tratativas se iniciaram com a Polícia Militar para esta parceria. Nesta segunda-feira, dia 18, inclusive, tivemos uma primeira ação com o treinamento dos militares destinados à Patrulha do Turismo, para conhecerem a história turística de Poços e os principais pontos vinculados ao turismo do município.”

Uma reunião com o Conselho Municipal de Turismo (Contur) também será realizada para que sejam apresentadas os principais gargalos em relação a segurança no Turismo e um próximo encontro será ainda promovido com a presença de todo o trade turístico local.

“Sem dúvida é mais um ganho para Poços em poder se tornar uma referência em segurança pública voltada ao Turismo. Vamos assim elevar a atratividade à cidade com benefícios para todo o setor envolvido direta ou indiretamente na área”, finaliza Ricardo.

O próximo passo dentro da Rede de Proteção ao Turismo será a ampliação para toda a região Sul de Minas, por meio do fomento junto ao Circuito Turístico Caminhos Gerais, também presidido pelo secretário Ricardo Fonseca.

GRUPO UNIS E VIVA VIDA REALIZAM AÇÕES DE CONSCIENTIZAÇÃO E SUSTENTABILIDADE NAS EMPRESAS


Há alguns anos o Grupo Educacional Unis estabeleceu uma parceria construtiva e duradoura com a Associação do Voluntariado de Varginha Vida Viva, com a Instituição apoiando os trabalhos da Associação, principalmente através do curso de Fisioterapia.

O apoio do Grupo Unis vem de maneiras diversas. Neste mês de outubro, em meio à campanha nacional do Outubro Rosa, através da parceria com a Vida Viva, a Instituição está realizando visitas em empresas para trabalhar a conscientização de colaboradores e líderes empresariais de diversas organizações sobre o Câncer de Mama, além de apresentar as campanhas de sustentabilidade da Vida Viva.

As campanhas da Associação são sempre voltadas às necessidades das pessoas em tratamento oncológico em situação de vulnerabilidade social assistidas pela Associação. Tudo o que é doado para a Vida Viva, é recebido através de campanhas e ações sociais, incluindo doações monetárias, de produtos e serviços.

A sustentabilidade também é uma área na qual a Vida Viva vem se destacando, com a arrecadação de blisters (cartelas de medicamentos vazias), tampas de plástico de garrafa PET e lacres de latinhas de alumínio.

“Essa parceria é muito importante para a gente, pois através de movimentos assim a nossa comunicação consegue ser mais expansiva. Uma parceria com uma instituição de educação tão forte como o Unis é uma vantagem para o maior reconhecimento e apoio do nosso trabalho.”, Lourdes Marinho, Relações Públicas da Associação.

Para saber mais sobre como fazer doações para a Associação Vida Viva, acesse o site clicando aqui.

Sobre a Associação Vida Viva
A Associação do Voluntariado de Varginha “Vida Viva”, tem por finalidade prestar atendimentos de modo a promover a Defesa e Garantia de Direitos às pessoas que encontrem-se em tratamento Oncológico, pelo Sistema Único de Saúde (SUS), no Centro de Oncologia do Hospital Bom Pastor (HBP) de Varginha, de qualquer faixa etária. Os usuários são oriundos do município de Varginha e demais 201 cidades da região.

Destaca-se, contudo, que os usuários do serviço apresentam além da necessidade de tratamento, a característica de estarem vivenciando situações de vulnerabilidade ou risco social. Deste modo, a Associação trabalha de modo a contribuir para efetivação de direitos e ampliação do acesso destes à proteção social.

A Associação se mantém com doações monetárias, de produtos e serviços, arrecadação mensal de recursos financeiros através de tele doações, realização de eventos, leilões, feiras, brechó, campanhas e parcerias com empresas privadas.